Bulimia: Como Se Ajudar ou Ajudar a Pessoa Que Você Ama

bulimia

Hoje eu gostaria de conversar com você sobre algo triste e muito sério. Um problema que atinge milhões de pessoas em todo mundo, na sua maioria mulheres adolescentes: a bulimia. 

Por pouco eu não entrei nessa, pois sofri com compulsão alimentar (leia o artigo).

Sentia um forte sentimento de culpa e um grande desejo de por para fora toda a comida com a qual eu me empanturrava, mas tinha medo de passar a sofrer também com a bulimia.

Gostaria de tratar sobre esse tema e poder ajudar a quem sofre com esse transtorno, e quem ainda não sofre, pois se eu não entrei por esse caminho, foi porque eu conheci as complicações que essa doença poderia me causar. 

Gostaria de alertar mães, pais e parentes de pessoas que talvez tenha esse problema e a família ainda não sabe.

E se a bulimia não bateu à porta da sua casa, que você conheça as causas, os sintomas e as consequências para saber como evitar que ela entre e proteger as pessoas que você ama.   

Fique atento às causas da bulimia e ao perfil da pessoa bulímica, para que você possa ajuda-la – ou se ajudar.

A Pessoa Que Sofre Com a Bulimia Nervosa

Primeiro ela passa por um momento de compulsão alimentar, seguido de um forte sentimento de culpa. 

Logo depois ela busca atitudes compensatórias, como colocar o alimento ingerido para fora forçando o vômito. Abusa de laxantes ou ainda pratica atividades físicas exaustivas, tudo com o fim de inibir o ganho de peso. 

Pessoas com bulimia nervosa costumam fazer jejuns rigorosos e usar inibidores de apetite (os anorexigenos que causam agitação e dependência). Na sua maioria, elas estão em seu peso ideal, mas são obcecadas em ter um corpo perfeito. 

Causas da Bulimia

A ciência não apresenta uma causa exata para o problema, mas acredita-se que ela seja uma mescla de alguns fatores:

  • Fatores Culturais 

A sociedade e a mídia exercem um papel importante no desenvolvimento e no agravamento deste quadro, pois cultuam a beleza, a magreza e a juventude enquanto despreza as pessoas que não tem esses atributos.

Tal situação faz com que milhões de pessoas no mundo desenvolvam a bulimia (na sua maioria mulheres jovens).

  • Fatores Biológicos

Predisposição genética (em 70% dos casos).

  • Fatores Psicológicos

Conflitos de identidade, depressão, obsessão por uma forma física perfeita, baixa autoestima, insatisfação com a própria aparência.

  • Problemas sociais

Bullying, por exemplo.

  •  Familiares

Problemas familiares e pressões de familiares com a aparência da jovem podem desenvolver o problema. 

Fique Atento a Mais Estes Sinais:

  • Ela se esconde

Casos de bulimia podem permanecer escondidos da família por um bom tempo. 

A pessoa bulímica, assim como o comedor compulsivo sente culpa pelo que faz. Tanto o comer, como as atitudes compensatórias ela os faz em segredo e geralmente corre para o banheiro depois de comer. 

  • Depressão

Fique atento a quadros depressivos e a um baixo rendimento escolar. 

  • Ingestão compulsiva de alimentos, laxantes e inibidores de apetite

Seguido de vômitos induzidos. A pessoa come muito, mas sem o aumento proporcional de peso. 

  • Excessiva preocupação com o peso

E por exercícios físicos sendo que a pessoa já é muito magra. Isso também pode ser um sinal. 

Consequências:

  • Inflamação da garganta e das glândulas salivares;
  • Arritmias cardíacas;
  • Sangramento do esôfago;
  • Cáries;
  • Desidratação;
  • Fadiga;
  • Desmaios;
  • Irregularidade ou perda da menstruação;
  • Ressecamento da pele;
  • Oscilações do humor e depressão;
  • Constipação;
  • Vômitos com sangue;
  • Dores musculares e caimbras;
  • Desequilíbrio eletrolítico (entenda o que é isso);
  • E pode provocar o óbito. 

Prevenção

Conhecer os riscos, as causas e os sintomas, diminuir a ênfase na atenção à aparência física. Buscar ajuda familiar e profissional diante de algum sinal de transtorno alimentar (tanto para a bulimia, anorexia ou compulsão alimentar).

Tratamento

O tratamento da bulimia é multidisciplinar e envolve médico, nutricionista, psiquiatra e psicólogo: terapia individual ou em grupo, aplicação de técnicas cognitivo-comportamentais, medicações antidepressivos, orientação e/ou terapia familiar, abordagem nutricional. 

Ainda como tratamento, vou te indicar a principal atitude que tem me ajudado a vencer a compulsão alimentar e por doces: um tratamento eficaz, gratuito e disponível em todo o Brasil: conheça o Tratamento Para a Cura dos Vícios.

Neste final de artigo, eu não vou realizar a enquete como sempre faço. Ao invés disso, vou te convidar a Ser Magra, porém Saudável!

Beijos

Conte comigo, amigas!

Fontes pesquisadas:

http://www.significados.com.br/bulimia/

http://veja.abril.com.br/especiais_online/anorexia-bulimia/bulimia-anorexia.shtml

https://www.abcdasaude.com.br/psiquiatria/bulimia

http://brasilescola.uol.com.br/doencas/bulimia.htm

Você pode gostar...

Me Conte o Que Você Achou!