Meu Diário Quero Ser Magra – Como Eu Tenho Conseguido Dominar e Vencer a Fome Emocional, Física e Comportamental





 O que são fome emocional e fome comportamental

Você já sabe o que é a fome física. É quando o nosso estômago ronca (ele não nos deixa esquecer essa fome kkkk).

Mas quando se fala da fome emocional e a comportamental, nem todo mundo sabe a diferença. 

Vamos entender:

Fome emocional

Esse tipo de fome tem a ver com a emoção.  Muitas vezes a pessoa come movida por: alegria, tristeza, frustração, raiva, porque não encontra outra coisa para fazer, etc. 

Ou por compulsão (quando a pessoa come porque vê a comida). 

Ela vê ou se lembra de algum alimento e desenvolve o desejo de comê-lo. Mas ela já se alimentou, já está saciada. Seu estômago não está reclamando por comida. Mesmo assim ela come.

Fome comportamental

Essa tem a ver com o ambiente e a situação a nossa volta. É quando comemos porque outros estão comendo ou por hábito. 

Por exemplo: a pessoa vai a uma festa sabendo que os salgadinhos gordurosos, o refrigerante e os doces vão atrapalhar o seu sonho de emagrecer. No entanto, como ela vê todos comendo e pensa: “ah, eu vou comer também. Acho que não tem problema. Todos estão comendo!”

Da mesma forma quando vamos ao cinema. Acho que podemos dizer que isso faz parte da nossa cultura: combinar cinema com pipoca e refrigerante. Aí a pessoa come por costume, porque todos fazem. Mas ela não está com fome. 

Outro exemplo é quando estamos em uma roda de amigos, com cerveja, refrigerante e tira gosto. Já nos saciamos, mas ainda assim continuamos comendo, porque o alimento está lá, nós estamos distraídos com o papo descontraído e os nossos amigos estão fazendo o mesmo. 

Confesso que vencer estes tipos de fome e não é fácil. 

Uma coisa é saber de cor e salteado as recomendações da nutricionista. Outra coisa é quando a gente se depara com esses tipos de fome.

Para vencê-las precisamos de disciplina, força de vontade, de começar a se cuidar e também que se adquira uma nova relação com a comida:

Comer para viver e não viver para comer. 


“Controlando” a fome física

Observe esta escala:

fome emocional

Ela vai do 1 ao 10 passando por cores diferentes.

Veja que o número 1, 2, 9 e 10 são os extremos. 

Segundo a recomendação de nutrólogos, quanto mais longe dos números em cores vermelhas e laranjas você estiver será melhor. 

Os números 3 e 4 estão em verde, mas eles também são um ponto de alerta. Se você esperar ficar com fome para se alimentar, provavelmente vai comer além da conta e talvez não será a alimentação saudável que você gostaria de fazer.

Daí a necessidade de comer pequenas porções de 3 em 3 horas. 

Faça uso também dos alimentos e frutas que produzem saciedade. Eles vão te ajudar a tirar essa escala de letra!

fome emocional

Vencendo a fome emocional e a comportamental

Para vencer a fome física não há segredos: basta satisfazer a sua fome. O importante é não ultrapassar as 3 horas de intervalo entre uma refeição e outra, para não ficarmos com muita fome e atacar a comida.

Mas quando se trata da fome emocional e da comportamental, vejo por experiência própria que a única forma de vencê-las, é usando o nosso lado racional. 

Como assim?

Vou te contar o que aconteceu comigo hoje. 

No momento em que estou escrevendo esse post, estou cansada e passei por momentos bem irritantes no meu dia. Veio à tona situações que eu gostaria que fossem melhores, mas que ainda não são. 

Por exemplo: essa semana eu ralei pra caramba nas minhas atividades físicas, procurei cuidar da minha alimentação e procurei manter o controle diante da comida. 

Me pesei como de costume, ontem, quinta feira. Resultado: 500 gramas a mais na balança. Isso é muito frustrante! Eu esperava ter eliminado pelo menos 1 quilo e meio!

O que me veio à mente: “vou me punir! Vou comer sorvete, chocolate, massa à vontade!

Usando a razão para emagrecer

Me “punir”seria a atitude segundo a emoção. Agora vamos usar a razão: o que vai acontecer se eu me “punir”?

  1. Vou ficar melhor depois?
  2. Meus problemas serão solucionados?
  3. Vou conseguir com isso eliminar aquele peso a mais que eu lutei a semana toda para eliminar?

Nada disso. Estes serão os resultados de eu me punir:

  1. Vou ficar mais triste
  2. Vou ficar com mais peso
  3. Vou me amar menos
  4. Vou ficar com a consciência pesada
  5. Vou ficar mais frustrada

Não adianta, pessoal. Diante da fome emocional e da fome comportamental, só a razão pode vencer. 

Quando você está em uma festa, roda de amigos com tira gosto ou no cinema, não tem jeito! Vamos precisar usar a razão mesmo! 

Pergunte-se:

  • Eu preciso mesmo comer pipoca e tomar refri ao assistir esse filme?
  • Eu devo mesmo comer esse docinho ou salgado, ou esse copo a mais de cerveja nessa festa, só porque todos estão comendo?
  • Qual o resultado que vou ter dessa atitude?
  • Será que não vou atrasar o meu plano de emagrecer e melhorar a minha auto estima, por causa desse pequeno momento de prazer?

fome emocional

A pergunta que vai definir a sua vida

E agora vou te fazer a pergunta chave, aquela que vai definir as suas atitudes e te ajudar a chegar ao seu objetivo que é o de atingir o seu peso ideal:

“O que te motiva a emagrecer?”

Essa é a pergunta que eu me fiz quando decidi dar o passo inicial para começar a eliminar peso.

Vou te mostrar a lista do que me motiva:

  • Queria ter mais pique para brincar com minha filha;
  • Queria ter mais força (e disposição) para andar de bicicleta;
  • Queria voltar a me sentir bonita para mim mesma e para meu marido;
  • Queria ser um modelo de vida saudável para minha filha;
  • Queria vestir roupas que me fizessem ficar elegante;

E estou conseguindo!

A minha pergunta para você continua sendo esta: o que te motiva a emagrecer?

Pense e responda nos comentários! Escreva também em uma folha decorada bem bonita e coloque em um local visível onde você possa se motivar todos os dias. Use fotos também, será ótimo!

Lembre-se que:

Se sua mente for magra e saudável, você será magra e saudável para sempre!

Beijos, amigas!

Você pode gostar...

Me Conte o Que Você Achou!